Embora o filme “O Iluminado” seja baseado no livro de mesmo nome de Stephen King, o diretor Stanley Kubrick utilizou diversas outras inspirações para desenvolver a obra audiovisual. Uma delas é um pouco curiosa, já que é bem distante do universo do terror. Você sabe qual é?

Trata-se de “Omnibus”, série de tv que trazia uma programação ao vivo para ensinar os espectadores sobre escrita criativa. Entrevistas, performances e trabalhos originais faziam parte da grade diversa do programa, que foi exibido de 1952 a 1961.

Anos depois, Kubrick revelou que foi um episódio específico que serviu de inspiração para o seu filme de terror. Desenvolvido pelo romancista e contista Stephen Crane, o capítulo chamado “The Blue Hotel” contava a história de dois homens jogando pôquer. Um deles está convencido de que o adversário está trapaceando, e resolve matá-lo. O público começa a acreditar que o protagonista é paranoico, porém, no final, é revelado que as suspeitas dele estavam corretas.

VEJA:   Filmes famosos e suas paletas de cores

O conto inspirou Kubrick a criar as distorções de percepção apresentadas em “O Iluminado”, contrariando a obra de King. O cineasta convence o público a duvidar se Danny realmente vê assombrações ou se aquilo tudo faz parte da sua imaginação, enquanto o verdadeiro perigo está na mente do pai, Jack Torrance, interpretado por Jack Nicholson.

No final, descobrimos que os elementos sobrenaturais eram reais e que Jack foi controlado por eles. Isso não fazia parte do livro, o que não agradou muito Stephen King. Embora seja elogiado pela crítica e pelo público, o escritor já revelou diversas vezes que odeia como sua obra foi retratada por Kubrick.

E você, prefere o livro ou o filme?