O cinema de Marcos Pimentel sempre zelou pelo existencial e humano, um olhar atento sobre os pequenos detalhes que compõem a essência fascinante, caleidoscópica e contraditória do nosso comportamento.

Em sua mais recente película, “A parte do mundo que me pertence” ele acompanha a rotina de um grupo heterogêneo de pessoas no decorrer de um dia, ilustrando o cuidado com cada pequeno ritual que silenciosamente diz tudo o que precisamos saber a respeito de suas respectivas personalidades.

Ao evitar qualquer tipo de narração ou depoimento dos personagens, o diretor nos transforma em testemunhas e cúmplices desse mosaico visual e onírico. A simples observação dessas jornadas permite o vislumbre e a compreensão de cada projeto pessoal que atua como engrenagem, dando um sentido e um propósito para cada respectiva existência.

VEJA:   Laboratório Cult | Rivalizando com a sua cópia em Cara X Cara

Todos os sonhos tem a sua devida dimensão e cabe aos seus protagonistas a sua devida magnitude, afinal, segundo o escritor Fernando Sabino “todos tem o direito de sonhar e cada um de ser o dono de seu sonho.”

Assista abaixo ao trailer!