Há muito tempo a humanidade vem tentando criar um conceito definitivo para o bem e o mal, essas duas forças opostas que se opõem e ao mesmo sofrem uma atração mútua. Já dizia Mário Quintana que “Todos tem seu encanto: os santos e os corruptos. Não há coisa na vida inteiramente má. Tu dizes que a verdade produz frutos. Já viste as flores que a mentira dá?”

Na filosofia chinesa temos os conceitos de Yin e Yang, duas energias opostas. As duas esferas dentro do símbolo representam a ideia de que, toda vez que cada uma das forças atinge seu ponto extremo, manifesta-se dentro de si um sentimento contrário.

A nova série do Amazon Prime é uma adaptação feita por Neil Gaiman do livro homônimo que ele escreveu com Terry Pratchett, uma história irreverente envolvendo o anjo Aziraphale e o demônio Crowley às voltas com o iminente Apocalipse que terá início em uma pequena cidade inglesa.

A narração em off de Deus é feita de maneira bastante irreverente e pontua o típico humor britânico que permeia a trama, também presente em obras como O Guia do Mochileiro das Galáxias e Monty Python.

O grande destaque vai para a relação entre o anjo e o demônio escalados para vigiar a criança que dará início ao Apocalipse. Ao longo dos episódios vamos acompanhando a amizade de longa data, desde o início dos tempos, quando um era guardião do Portão Leste do Jardim do Éden enquanto o outro foi a serpente que tentou Eva para comer a maçã. Suas longas estadias na Terra acabaram por deixá-los um tanto humanizados, o que acaba por levá-los a evitar o Juízo Final em favor da Paz, enquanto os seus superiores não aceitam nada além da guerra que definirá de uma vez por todas a supremacia de um sobre o outro.

VEJA:   A luta por direitos universais em Fome

Em sua jornada para evitar o Armagedom e encontrar o Anticristo, agora um menino de 11 anos vivendo tranquilamente em uma cidadezinha inglesa, eles acabarão trombando com uma jovem ocultista, dona do único livro que prevê com precisão os acontecimentos do fim do mundo, com caçadores de bruxas ainda na ativa e, quem sabe, até com os Quatro Cavaleiros do Apocalipse. Mas eles terão de ser rápidos.

Uma história envolvente e divertida que mostra como o cinza pode ser mais interessante que o preto e o branco.