‘Calvin & Haroldo’ é uma tira diária criada pelo cartunista americano Bill Watterson, que foi publicada em periódicos entre os dias 18 de novembro de 1985 até 31 de dezembro de 1995. Narra as aventuras de um garoto bastante imaginativo e seu amigo tigre que conversa e brinca com ele, quando na verdade é um animal de pelúcia que ganha vida somente em sua imaginação. Esse tema aparentemente simples acabou se tornando uma das grandes obras no universo dos quadrinhos de todos os tempos

Se mantém atual justamente por tratar de temas extemporâneos, como o amor, a família, a amizade e também assuntos de interesse geral, como ambientalismo, educação pública, filosofia e opinião pública.

O nome de Calvin foi inspirado no reformador religioso do século XVI, João Calvino, um dos pais do cristianismo protestante, que discorreu, entre outros, acerca da depravação total do homem, ou seja, que o homem está naturalmente inclinado para promover o mal a seu próximo, enquanto Hobbes (o nome de Haroldo em inglês) o filósofo britânico do século XVII que tinha aquilo que Watterson chamou de “uma visão obscura da natureza humana”, sendo o autor da famosa máxima “O homem é o lobo do homem” — ou seja, cada homem é o predador de seu próximo. De acordo com Watterson, a fonte dos dois nomes é entendida como uma piada para as pessoas que estudam ciência política e filosofia, e que poucas outras pessoas a iriam perceber.

O olhar puro e sincero de uma criança nos permite analisar o mundo sem os vícios da maturidade que acabamos adquirindo ao longo dos anos. Suas ponderações nos levam a reavaliar nossos pontos de vista sob vários aspectos que talvez não tivéssemos percebidos antes. Uma visão crítica de nossa sociedade feita de forma bastante sutil e bem humorada.

VEJA:   Laboratório Cult I O humano acima do bem e do mal em 'Good Omens'

A misantropia do autor é retratada no documentário Dear Mr. Watterson, que também ilustra a magnitude da sua criação dentro da cultura americana moderna. Seus impacto através de toda uma geração de leitores que cresceram acompanhando as aventuras de um garoto e seu companheiro imaginário, sendo transformadas pelas suas reflexões.

Ainda que obtenha recursos monetários de seus desenhos, Bill Watterson professa um sentimento anticapitalista e antimerchandising e proibiu expressamente sua editora de vender os direitos para lançar no mercado artigos baseados na HQ. No final, Watterson não permitiu o lançamento de qualquer merchandising, exceto alguns artigos únicos de edição limitada, como postais e pôsteres originais que se tornaram item de colecionador. Apesar dessa proibição, hoje em dia não é nada difícil encontrar T-shirts estampadas, porta-chaves ou autocolantes para carros pirateados, com imagens de Calvin a dizer e a fazer coisas que nunca disse nem fez nos quadrinhos.

Ele costumava autografar sorrateiramente cópias de seus na Fireside Bookshop, uma livraria familiar em Chagrin Falls, de onde se mudou em 2005 com sua esposa Melissa para Cleveland, mas, ao descobrir que algumas pessoas estavam vendendo os livros autografados por altos preços em leilões on-line, ele parou de fazê-lo. Por questões de privacidade, ele raramente dá entrevistas ou faz aparições públicas. O autor sabe que não precisa disso para garantir o legado de sua obra. Ele já é eterno em todos os corações que conquistou ao longo de todos esses anos.