Recentemente, um áudio, que pode ser o primeiro registro da voz de Frida Kahlo, foi divulgado pela Biblioteca Nacional de Música do México. Na gravação, que seria de 1953 ou 1954, a pintora lê parte de um texto escrito para o livro-catálogo da exposição “Diego Rivera, 50 anos de trabalho artístico”.

O problema é que familiares e ex-alunos de Frida dizem que a voz não é da artista, segundo informações apuradas pelo The Guardian. “Tanto quanto a família Kahlo sabe, não há registos da voz de Frida”, afirma um comunicado divulgado pelos próprios familiares.

Arturo Estrada Hernández e Guillermo Monroy Becerril, ex-alunos da pintora, também negam que a voz que se ouve é de Kahlo.

“Não reconheço esta voz. A primeira vez que a conheci, notei que era uma mulher com uma voz muito doce e alegre… a voz real de Frida era muito animada, encantadora e alegre. Não era séria, suave ou delicada … era cristalina”, revelou Becerril à agência EFE.

O jornal britânico também divulgou que a atriz mexicana Amparo Garrido diz que a voz que se ouve na gravação é sua. Em 1937, ela deu voz à Branca de Neve quando o filme da Disney foi dublado para a língua espanhola.

VEJA:   Álbum icônico de Odair José será relançado em vinil

“Sinto que sou eu. Gravei várias coisas para o El Bachiller… Tenho quase a certeza que fui eu que gravei isto”, explicou Amparo à Radio Formula.

Ismael, um dos filhos da atriz, também reconhece a voz da mãe na gravação, e duvida que a pintora mexicana estivesse em condições de gravar aquele áudio, já que, supostamente, ele havia sido registrado durante um programa da rádio XEM.

“Frida Kahlo nasceu em 1907, morreu em 1954, e pensa-se que este áudio será de há 65 anos, ou seja, no ano em que faleceu”, contou à estação de rádio mexicana. “Este fato dificulta um pouco as coisas porque, em 1954, Frida estava no hospital praticamente todo o tempo. E, além disso, a voz está bastante afetada”.

Ouça abaixo a íntegra do áudio!