Quase 50 anos depois do lançamento do livro “Laranja Mecânica”, foi encontrado um manuscrito de Anthony Burgess para uma suposta sequência. “A Clockwork Condition” contém aproximadamente 200 páginas e é praticamente um ensaio, meio autobiográfico, meio filosófico.

O material foi encontrado nos arquivos do escritor, em Bracciano, na Itália, e narra a história do Estado tentando curar a rebeldia juvenil, além de compilar reflexões sobre a condição humana e temas da obra original.

No texto, Burgess também comenta sobre a adaptação bem polêmica de Stanley Kubrick. Quando foi lançado, nos anos 1970, o filme foi acusado de incentivar a violência.

Uma das cenas mais emblemáticas da adaptação cinematográfica da obra.

Para Andrew Biswell, diretor da Fundação Internacional Anthony Burgess, o manuscrito contextualiza o trabalho do escritor. “Amplifica suas visões sobre crime, punição e os possíveis efeitos corruptores da cultura visual”, contou à BBC.

O autor também explica no texto o motivo do nome do livro. “Em 1945, de volta do exército, ouvi um homem de 80 anos em um pub em Londres dizendo que alguém era ‘tão queer quanto uma laranja mecânica’. O ‘queer’ não queria dizer homossexual, mas sim louco. Por mais de 20 anos quis usar esse título em alguma coisa… Foi um emprego figurado da palavra e exigia nomear um trabalho que combinasse uma preocupação com a tradição e a técnica bizarra”.

 

VEJA:   Netflix anuncia documentário sobre 'AmarElo', o mais recente álbum do Emicida