Todo ser humano é um mundo e em cada mente existem criaturas que talvez não sejam tão realistas, mas sim muito reais. A aquarelista e desenhista peruana conhecida como Mafe pegou o lápis na tenra idade de 4 anos, e agora, quinze anos depois, aparece como uma artista multidisciplinar que procura mostrar e intervir na beleza do trauma e na pureza do medo, na forma de surrealismo pop.

Suas criações se destacam pela estética bem singular de seus personagens, sejam mágicos ou não, todos compartilham características físicas que atraem a atenção.

Eu vejo meu estilo como esses bebês gigantes que, por algum motivo, já quebraram seus corações, já os haviam abandonado e sofreram mais do que qualquer adulto ou adolescente. A ideia de esconder coisas mórbidas ou tristes com ternura parece incrível para mim, e é isso que eu tento fazer na maioria das coisas que eu crio”.

A jovem artista procura expressar os medos que cada um pode ter, sem temor ou tabu, sem torná-los algo que se deve esconder, mas, por outro lado, compartilhar e, de alguma forma, olhar para seu lado bom.

VEJA:   E se astros da música e do cinema tivessem seus corpos cobertos por tattoos?

Usando tons pastel e quentes, a artista inspira-se em pessoas próximas, na música e nas obras de Dilka Bear. Sua arte procura refletir um certo trauma, mas quer tocar as emoções que o ser humano geralmente é forçado a reter. Além disso, ela quer promover debates sobre memória, cultura, infância e imagem corporal.

Confira!